Gavin Eccles

Ao longo da série Hotelier PULSE, os hoteleiros têm-se preocupado sempre com o impacto das restrições dos voos nas viagens. A grande questão na mente de todos é: haverá oferta de aviões suficiente para suportar a procura reprimida? E qual será o impacto nos hotéis em todo o mundo? Para responder a estas perguntas, conversamos com o especialista em aviação Gavin Eccles - consultor administrativo e professor de aviação e turismo, para saber a sua opinião sobre a situação das companhias aéreas até hoje e o que podemos esperar quando as restrições às viagens forem suspensas.


O problema que temos de momento é com a procura e, nesse aspecto, é aqui que estamos no mesmo barco que os Hotéis.

As reservas em Janeiro de 2021 representaram apenas 21% das do mesmo período do ano passado. Na sua opinião, como é que a incerteza em torno das viagens aéreas desempenhou um papel nesta situação?

O estado actual da aviação reflecte de perto o que está a acontecer na indústria hoteleiranos dias de hoje. Temos capacidade, mas não temos procura porque os mercados não estão abertos. No início de 2021, durante a temporada de reservas de inverno, as companhias aéreas planeavam ocupar 80 milhões de lugares em Março de 2021.

No entanto, a cada semana, as companhias aéreas continuam a cortar a sua capacidade porque a procura permanece baixa enquanto houver fronteiras fechadas. A 15 de fevereiro de 2021, as companhias aéreas tinham cerca de 20 milhões de lugares a menos registados em sistema em comparação com Janeiro de 2021. Os únicos locais onde vemos excepções são na China, Estados Unidos, Rússia e Índia, onde ainda há níveis de voos razoáveis a operarem em rotas domésticas.
 
Seguindo o roteiro do governo do Reino Unido para reabrir a economia, fala-se que até o final de 2021, poderíamos atingir cerca de 50% dos níveis de mercado de 2019. No entanto, também poderíamos ter apenas 13% até ao final do ano, simplesmente porque não sabemos o que acontecerá a seguir em termos de reabertura de fronteiras e como é que a distribuição das vacinas continuará. Mais importante, precisamos de devolver a confiança ao consumidor para viajar novamente.
 
É importante observar que não temos problemas com o abastecimento. As companhias aéreas estão prontas para descolar. O problema que temos de momento é com a procura e, nesse aspecto, é aqui que estamos no mesmo barco que os Hotéis. Nenhum consumidor arrisca fazer uma reserva de momento, porque não sabem o que irá ou não estar disponível na altura.

A expectativa para as ‘viagens de negócios’ continua a diminuir, enquanto as expectativas para as ‘viagens de lazer’ aumentam constantemente. Na sua opinião, por que é que isso acontece?

Se olharmos para trás, para o que aconteceu em setembro de 2020, as companhias aéreas low cost (como Ryanair, EasyJet, Wizz Air, etc) conseguiram arrancar mais rápido. Porquê? Porque estas companhias aéreas operam em modelos point-to-point. Então, por exemplo, se um número suficiente de consumidores precisa de voar directamente de Lisboa para Londres e voltar, os aviões estão prontos e as fronteiras estão abertas, então não há realmente nada que impeça estas companhias aéreas de reiniciar a actividade comercial.

Na terceira semana de fevereiro de 2021, após o anúncio do Reino Unido de que as viagens internacionais podem recomeçar em meados de Maio, a Easyjet anunciou que as suas reservas de voos aumentaram 300% em comparação com a segunda semana de Fevereiro. E, ainda mais notável, é que a Easyjet Holidays disse que aumentaram 600% em relação à semana anterior.
 
Agora, pode imaginar, as reservas da semana anterior foram muito baixas, em relação ao que esperávamos. Mas de repente, com um pouco de positividade e um pouco de confiança, o mercado disparou. O nível de procura reprimida por lazer é enorme.
 
Com a previsão do retorno das viagens nos meses de verão: junho, julho e agosto, os consumidores em todo o hemisfério norte provavelmente irão investir em feriados. Portanto, é óbvio que o lazer se vai recuperar durante este período. Se Setembro, Outubro e Novembro vão reactivar a procura por viagens de negócios em 2021, ainda está para ser visto.

Quando é que os hoteleiros podem esperar que as viagens aéreas retornem aos níveis pré-covid?

Desde 2010, o sector de aviação civil tem sempre crescido cerca de 5% em relação ao ano anterior. A previsão era que a indústria continuasse a crescer a cada ano entre 2019 e 2024. Mas, como sabemos, a indústria sofreu uma queda massiva em 2020. A questão agora é: para onde iremos a partir daqui?

Estamos num período em que a maioria das pessoas diz que a indústria alcançará os níveis de mercado de 2019 em 2024. Mas se pensar bem, isso não significa que cresceu. Quando voltar aos níveis de 2019, significa que os próximos quatro anos terão crescimento zero. Assim, a indústria introduziu o benchmark 2019, com o objetivo de recuperar 50% em 2021, e depois os próximos 50% entre 2022 e 2023. No entanto, esta previsão não anula a incerteza prevalecente.

Mas, numa nota optimista, se é certo que em meados de Junho de 2021 as coisas podem voltar ao normal, por que não podemos voltar aos níveis de 2019 mais rápido? Esperançosamente, essa perspectiva dá-lhe uma imagem de onde 2024 é o auge, mas com a possibilidade de que a indústria se possa recuperar para os níveis de 2019 ainda mais cedo.


Sobre Gavin Eccles
Gavin Eccles trabalhou à volta do mundo para vincular o desenvolvimento da aviação e do turismo e tem-se associado a companhias aéreas, hotéis, aeroportos e operadoras de turismo. As funções anteriores incluíram o desenvolvimento na British Airways e projetos de consultoria para United Airlines, American Airlines, Qantas e apoio ao desenvolvimento de companhias aéreas low cost para destinos turísticos. Em Portugal, Gavin foi o antigo CCO da SATA Azores Airlines, Assessor da Board do Visit Portugal para o desenvolvimento da aviação e apoiou inúmeros projectos com a ANA Airports Portugal na abertura de rotas aéreas internacionais para o país. Com hotéis, Gavin trabalhou com várias redes e teve cargos de destaque na TUI. Gavin recebeu o título de Mestre em Filosofia pela University of Surrey e o título de Honra em Administração pela Sheffield Hallam University.

Se a maioria das rotas adotar o modelo point-to-point, isso significa que agora os hotéis em cidades secundárias podem ter uma recuperação melhor do que teriam no normal sistema de hubs de companhias aéreas?

Olhando especificamente para os EUA, podemos ver que os hubs aéreos de Nova York e Los Angeles têm sofrido mais com o clima actual. O que cresceu foi Jackson Hole e Palm Springs, que actualmente é um dos aeroportos de crescimento mais rápido do mundo. Tudo isto indica que os consumidores, pelo menos por enquanto, não querem estar nas cidades.

No entanto, se as coisas voltassem ao normal amanhã, as pessoas deixariam de querer ir para as cidades na mesma? Estamos realmente a dizer que quando todas as pessoas vulneráveis ​​forem vacinadas, não iremos voltar para as cidades? Ou que não queremos falar com pessoas? Que queremos apenas ir para Jackson Hole e Palm Springs e nunca mais visitar Nova York ou Los Angeles de novo?
 
Embora os níveis significativos de tráfego aéreo tenham sido redireccionados em resposta à procura actuall, não consigo ver essa situação a continuar quando saímos desta pandemia. Tenho a certeza de que muitos de nós esperamos voltar a mais espectáculos, discotecas, pubs, concertos e muitas outras reuniões sociais.
 
Também é importante considerar onde as companhias aéreas irão parar. Houve uma visão de voar por mais tempo, e certas companhias aéreas, como a Qantas, estavam a começar a pensar em voar de Londres a Sydney e de Sydney a Londres. Com os A350 e B777, estas rotas podem acontecer. A questão era se os passageiros querem passar 16, 17 ou até 19 horas numa aeronave, ou eles querem ir via Dubai, passar lá alguns dias e, em seguida, viajar?
 
2020 mudou essa hesitação, porque ninguém quer voar sobre hubs no momento. Os aeroportos estão a ser desafiados sobre como podem continuar com o distanciamento social e evitar o contágio de Covid-19, etc. Tem-se falado que mais passageiros podem querer mais viagens point-to-point, mas quando as cidades reabrirem, é provável que os aeroportos os sigam. Como mencionei antes, a oferta está aí, estamos é a olhar para uma procura diferente.

Quais são as suas expectativas para as viagens aéreas quando as restricções governamentais forem suspensas?

A Industry Air Travel Association (IATA) propôs o passaporte IATA que permite aos passageiros partilhar dados dentro de um aplicativo. Mas embora várias companhias aéreas e governos se tenham inscrito neste projeto, todos precisam de estar alinhados para que funcione em escala global.
 
Com o passaporte IATA, todas as suas informações são armazenadas num aplicativo, incluindo toda a papelada e burocracia. Isso é semelhante ao que temos agora com a pré-autorização para garantir que os passageiros não estão numa lista ‘No-Fly’. Se essa partilha de informações puder ser feita de forma rápida e fácil, isso permitirá que as companhias aéreas retornem mais facilmente aos hubs de transferência. A última coisa que as companhias aéreas querem são filas de 2 a 3 horas nos aeroportos, porque isto significa que os aviões não farão conexão entre si.
 
A ‘Block Hour’ de uma aeronave significa que só pode voar durante algumas horas. Se começar a atrasar voos e procedimentos, o modelo da aviação será desafiado. Portanto, é preciso haver integração entre as diferentes partes interessadas, associações e instituições para alinhar este procedimento e fazê-lo funcionar.

Como irão as companhias aéreas responder ao aumento da procura quando as restricções forem suspensas?

A maioria das companhias aéreas reestruturou-se, planeando quais as aeronaves a remover a longo prazo. Então, teoricamente, mesmo que as companhias aéreas possam não estar a voar, elas sabem que têm um X número de widebodies e números Y de narrow bodies. Então para o planeamento da rede que é feito, eles simplesmente não sabem para onde podem enviar a aeronave até à reabertura das fronteiras. Quando isso acontecer, provavelmente levará de 2 a 3 semanas para levar os aviões dos desertos aos aeroportos e retomar as operações normais.


Se houver procura, a aeronave estará pronta. O que será interessante é que as companhias aéreas agora tiveram que implementar um modelo de planeamento de curto prazo. Se estivéssemos a viver em tempos normais, as companhias aéreas estariam a planear o verão de 2022 agora. No entanto, a indústria está na verdade a planear o verão de 2021, que está a apenas 3 meses. Portanto, há uma grande mudança entre a flexibilidade das companhias aéreas e dos aeroportos.

A flexibilidade para o sector de aviação será crucial quando a procura aumentar novamente. Portanto, o planeamento mudará do tradicional para o sector, onde as companhias aéreas normalmente planeavam com um ano de antecedência.


Se houver procura, a aeronave estará pronta. O que será interessante é que as companhias aéreas agora tiveram que implementar um modelo de planeamento de curto prazo.

No clima atual, esta poderia ser uma grande oportunidade para a indústria da aviação - continuar a apostar nos complementos por meio de canais online e offline.

O que acha que mudará permanentemente no sector de aviação civil depois de tanto tempo com tão poucos voos?

Semelhante aos hotéis, a indústria da aviação está actualmente à procura de fontes de receita alternativas, desenvolvendo ainda mais um novo conceito chamado NDC ‘Novos recursos de distribuição’. As companhias aéreas estão a tentar agora vender complementos.

A ideia é tentar abrir a plataforma interna de Backoffice de uma companhia aérea numa agência de viagens e basicamente dar ao consumidor a oportunidade de reservar tudo em torno da sua viagem no ponto de contacto. No futuro, e certamente no clima atual, esta poderia ser uma grande oportunidade para a indústria da aviação - continuar a apostar nos complementos por meio de canais online e offline.

O que pode a indústria da aviação (e os hoteleiros, neste caso) aprender com os eventos da pandemia e os programas de resgate?

Para as companhias aéreas que cresceram fortemente nos últimos cinco anos até 2020, o leasing de aviação tornou-se muito popular. Dublin e Singapura tornaram-se centros globais de aviação e a maioria dos principais bancos estavam envolvidos no leasing de aviação. Na verdade, o Banco da China é um dos maiores proprietários da aviação.

O que isso quer dizer é que talvez as companhias aéreas estivessem a crescer tão rapidamente, porque havia um novo mercado. Antigamente, as companhias aéreas compravam os aviões directamente do fabricante. Mas o que a indústria criou agora é um intermediário, onde existe o fabricante que vende para o locador, que então negocia com a companhia aérea.

Isto deu às companhias aéreas a capacidade de continuar a crescer. Enquanto isto funcionava, todos estavam felizes. Mas quando aconteceu o impensável, as companhias aéreas apelaram aos governos para que as ajudassem a simplesmente permanecer vivas. Isto apenas mostra que, quando uma companhia aérea não voa, os modelos não estão certos. Temos muitos dos nossos custos associados a activos. Então, acho que a aprendizagem aqui é que talvez tenhamos crescido demasiado rápido.

Quais os locais que acha que serão os primeiros a recuperar em termos de capacidade de voo?

Como discutimos antes, todas as rotas de lazer serão as mais propensas a recuperar mais rapidamente, portanto, todas as linhas entre o Norte e o Sul, onde todos estão a viajar no verão. Claro que isso depende de quando as rotas transatlânticas serão reabertas.

A China era o maior mercado de viagens emissoras do mundo no final de 2019, ultrapassando os EUA. Então, a questão agora é: o que está a acontecer lá? Porque eles têm sido bastante abertos internamente, mas não tão abertos internacionalmente. Portanto, pode ser como um tsunami quando as fronteiras chinesas forem reabertas.

Nenhuma das companhias aéreas chinesas precisou de resgates, então é provável que a estratégia de saída da China seja impulsionada pela China. As companhias aéreas estão prontas para voar, mas não tiveram uma estratégia de ida até agora. Por outro lado, Lufthansa, Air France e KLM - que são unificadas e estavam implementando grandes estratégias na China - provavelmente não reiniciarão tão rapidamente. As grandes companhias aéreas chinesas farão o trabalho das companhias aéreas internacionais para fazer com que os consumidores chineses viajem novamente.


Junte-se ao Hotelier Pulse
Faça a pesquisa deste mês   Aqui .
Utilizamos cookies próprios e de terceiros para fins analíticos e para lhe mostrar publicidade relacionada com as suas preferências a partir dos seus hábitos de navegação e do seu perfil. Pode configurar ou recusar os cookies clicando em “Configuração de cookies”. Também pode aceitar todos os cookies, premindo o botão “Aceitar todos os cookies”. Para mais informações, pode visitar a nossa Politica de Cookies.

Configuração de Cookies:

Os cookies e outras tecnologias semelhantes são uma parte essencial do funcionamento da nossa Plataforma. O objetivo principal dos cookies é tornar a sua experiência de navegação mais cómoda e eficiente, e poder melhorar os nossos serviços e a própria Plataforma. Também utilizamos cookies para lhe poder mostrar publicidade que seja do seu interesse quando visitar sites e apps de terceiros. Aqui pode encontrar toda a informação sobre os cookies que utilizamos e ativar e/ou desativar os mesmos, de acordo com as suas preferências, exceto os Cookies estritamente necessários para o funcionamento da Plataforma. Deve ter em conta que o bloqueio de alguns tipos de cookies pode afetar a sua experiência na Plataforma e o funcionamento da mesma. Ao premir “Confirmar preferências”, a seleção de cookies que realizou será guardada. Se não selecionou nenhuma opção, premir este botão será equivalente à recusa de todos os cookies. Para mais informações, pode visitar a nossa Politica de Cookies.

Configuração de Cookies
Aceitar todos os Cookies